QUEREM ROUBAR A PREVIDÊNCIA DO TRABALHADOR E ABANDONÁ-LO À PRÓPRIA SORTE

reforma da previdência

“Com a ditadura nos matavam. Agora nos deixam morrer”[1]

O capitalismo costumava mandar à guerra o excedente improdutivo da população. As ditaduras os matavam simplesmente. O neoliberalismo inventou a forma cruel de deixar morrer os excluídos.

E para isso criou a competição insana para que os excluídos sejam condenados pelo seu fracasso, por dificuldades individuais incapacitantes. Criou até a figura do “Coach” para tentar recuperar alguns para que não caiam na categoria de excluídos. Como se estivéssemos todos em uma disputa esportiva e os perdedores devem dar lugar aos mais capazes.

E todos querem estar no time dos incluídos, nunca dos excluídos, dos fracassados. Essa percepção disseminada pela mídia, pela publicidade, pelas as instituições antes formadoras de coletividades, gera uma competição, onde parece que se foi incluído por mérito e excluído por demérito.

O aparelho de estado neoliberal vai tirar todo o investimento nos excluídos (antes amparados pelas políticas de bem-estar social) e aplicar a necropolítica competente para desamparar os excluídos.

Acabar com os direitos trabalhistas significa desamparar quem ficou pra trás e facilitar a vida dos empreendedores meritocráticos. Como não tem vaga na primeira fila pra todo mundo, alguns, antes incluídos, podem cair na vala comum do excluídos. É impressionante o número de pequenos comércios, pequenas empresas fechando ultimamente. O jornal não noticia o drama dos fracassados.[2] E o número de moradores de rua aumenta a olhos vistos. No afã da concentração do capital o neoliberalismo abandona de vez os excluídos à própria sorte e não mais se preocupa com a morte deles.

Sem saúde, educação, segurança racional os mais pobres são logo atingidos. Por susto, por bala ou vício. O fechamento da farmácia popular vai apressar a morte de quem precisava do remédio para viver. O encerramento do Mais-Médicos já produziu um número expressivo: 100 mil mortes precoces, isto é, que não deveriam acontecer com a continuidade do programa. As filas de cirurgias aumentam e muitos morrerão na fila. E, claro, aumenta a violência dos que não se conformam com a situação de exclusão.

A Reforma da Previdência e suas pequenas maldades produzirá mais morte aos excluídos. Alguns poucos exemplos: o BPC[3] é um verdadeiro crime com os velhos abandonados; a diminuição da pensão ao teto de dois mil deixará famílias, antes incluídas, na exclusão; o não pagamento de aposentadoria integral ao acidentado ou vítima de doença crônica condenará o antes incluído produtivo em excluído condenado a morrer a míngua. Portanto, além de ter que trabalhar quarenta anos para ter uma aposentadoria digna, acidentes de percurso podem não deixar você chegar lá numa aposentadoria bem perto da morte. Mas você não terá aposentadoria se não capitalizar dinheiro nos bancos.

O que Paulo Guedes quer fazer não é uma reforma, mas acabar com a aposentadoria e confiscar o dinheiro do trabalhador que foi poupado pela forma de solidariedade vigente. O neoliberalismo tá de olho na quantidade de recursos que alimentam a aposentadoria solidária para capitaliza-la no mercado financeiro.

Ora, pela regra constitucional em vigor, os recursos destinados à aposentadoria – além da burla de destinar o total previsto – mantém uma vultosa quantidade de capital que não pode ser utilizado. Esse capital pertence ao trabalhador. É desse capital que o neoliberalismo quer dispor. E o terá no regime de capitalização.

Portanto, o que está em jogo não é se a previdência pode ser consertada – se é que tem o rombo que eles anunciam. Eles querem é por a mão do capital que pertence ao trabalhador e com a necropolítica abandoná-lo à própria sorte.

Não é só uma reforma. Mas o gigantesco roubo do dinheiro da previdência e deixar o assaltado morrer.

____________________

Desenho: Latuff

[1] Estrito num muro na Espanha e que inspirou Clara Valverde a escrever “De la necropolítica neoliberal a la empatía radical”, onde retoma o conceito de Achiles Mbembe autor de Necropolítica (traduzido em 2018 edirora N-1)

[2] O dono de uma padaria no Grajaú cometeu suicídio após a notificação de dívidas impagáveis (essa notícia escapou).

[3] Benefício de Prestação Continuada que um velho sem renda recebe e, muita das vezes, sustenta famílias de desempregados, que – por outro lado – tratam bem o velho para manter a renda familiar, se assim a pudemos chamar.

2 comentários em “QUEREM ROUBAR A PREVIDÊNCIA DO TRABALHADOR E ABANDONÁ-LO À PRÓPRIA SORTE

  1. Belo comentário! Esse governo não tem nenhum projeto, ou melhor, tem sim: fazer a pobreza ficar ainda maior e concentrar mais renda ainda nas mãos de quem já tem. BRASIL vai virar LISARB!

    Curtir

  2. Mon cher,

    Você não entendeu bulhufas deste pacote previdenciário.

    Está, o pacote, na medida para o que pregava nosso emi-

    nente deputado Justo Veríssimo (lembra-se dele). Pobre

    tem é que morrer. Nos queremos é nos locupletar.

    abraços,

    nacifelias

    Curtir

Deixe uma resposta para MILTON DE FARIA E SOUZA Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s