UMA CRÔNICA TRISTE PRA MINAS

vALE

Eu, que tenho uma paixão pelo mar de Minas, no céu de suas montanhas, descubro agora que andava em terreno minado de barragens de rejeitos minerais próximas a explodirem. Depois de Mariana, Brumadinho muito maior na proporção da catástrofe. Só agora se divulga que Congonhas, Ouro Preto, Sabará, Itabirito, entre outros sítios aguardam explosões de rejeitos de minérios que pode ceifar mais vidas, destruir a fauna e flora das matas mineiras. Parece que em cada depressão de montanha tem uma barragem do que sobrou na extração do minério que os trens carregam dia e noite em lentos vagões.

E aquele mineiro quieto, em sintonia com um tempo que passa devagar, pode ter ficado arisco, mais desconfiado ainda da maldade que o tinhoso pode lhe reservar numa explosão de dejetos tirados das entranhas das montanhas que tem o minério da cobiça humana.

Eles bem que podiam remexer na riqueza de Minas sem causar esse alvoroço irresponsável de guardar a merda da montanha em latrinas impróprias. E que ela não escapasse para soterrar vidas de quem estava por perto da merda contida do jeito errado. Mas é a ganância, sô, desses gringos que compraram os trens mineiros que nunca tinham matado ninguém.

E os gringos compraram a Vale, os trens, os deputados, os fiscais, porque eles têm muito dinheiro do lucro de fazer dinheiro trepar com dinheiro pra fazer mais dinheiro. O dinheiro da gente num tem nem tempo de conhecer outro dinheiro, os deles se juntam no banco e produzem mais dinheiros que eles não gostam de gastar.

E a ganância, que encheu as burras de dinheiro dos gringos, destruiu a vida de funcionários abrigados na irresponsabilidade e de roceiros mineiros que tinham nas terras alagadas – já desvalorizadas – o ganha-pão de plantar o sustento. O emprego que a mineração deu a alguns e depois soterrou sem dó e piedade não valia de nada. Ou melhor, serviu enquanto pode pra gerar a mais-valia do gringo e enterrar vidas sem mais valia na ganância do lucro de alguns centavos em cada grama de minério.

E a elite do dinheiro – que ergue e muito mais destrói tanta coisa bela – ficará impune outra vez. Talvez sejam presos alguns engenheiros pressionados pela empresa para atestar que não havia um perigo, que sempre houve. E também alguns que deviam fiscalizar, mas com a mão molhada na propina preferiram manchá-las no sangue das vítimas. Essa corrupçãozinha menor que nos é dado vê-la para esconder a corrupçãozona do capitalismo. Que se fosse descente nem precisava fiscalizar.

É da natureza do sistema: eleger deputados para fraudar a fiscalização, outros para deixar de pagar os impostos devidos em subsídios que não foram autorizados pelo povo. Porque é um estado a serviço do grande capital que faz regras de isenções e benesses oficializando a corrupção inerente a um sistema perverso.

E eu cá com saudades das montanhas de Minas. O povo mineiro chora afogado num mar de lama do tamanho do mar salgado que ele não conhece. As montanhas de Minas vomitaram a sua ira da exploração desenfreada de suas riquezas. É preciso que elas quietem para me transmitirem a paz que sempre busquei por lá. De agora em diante na companhia das almas perecidas na lama.

________________

desenho: 1000TON

3 comentários em “UMA CRÔNICA TRISTE PRA MINAS

  1. Mar de Lama! Supremo, forças armadas, parlamentares, executivos, rentistas, banqueiros, especuladores, empresários, mídia esgoto. Tudo delimitado, ou melhor tudo deLAMAtado! A LAMA É O LIMITE! Esses canalhas chafurdam por cima, o povão está morrendo do lado de baixo desa lameira toda!

    Curtir

  2. Prezado, Edmar. Também sou leigo, mas pelo que entendi. A Vale (a maior mineradora do mundo que valia 100 bilhões quando o vendilhão FHC a “privatizou” por apenas 3 bi, mesmo preço por que foi vendida a fábrica de biscoitos Yoki) privatizada em vez de construir represas de CONCRETO para segurar os “rejeitos” da mineração. Usava esses mesmos rejeitos para construir as represas. Então em vez de paredões de concreto, “paredões” feitos com a merda das montanhas como você diz. Tais represas são proibidas em países sérios. Tenho minhas dúvidas que a Vale seja uma exportadora de ferro. Ali naqueles trens que circulam dia e noite a título de ferro vai nióbio, urânio e metais raros. Eu se fosse ditador do Brasil colocava imediatamente esse tal de Flavio Schvartzman na cadeia, e faria uma intervenção extra judicial na Vale tomando-a de volta para o Estado.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s