BOLSONARO FALOU O QUE NÃO SE OUSAVA DIZER E LIBEROU O INCONSCIENTE DOS SEUS ELEITORES

o passado que não passa

A PROPOSTA É SIMPLES. Em vez de qualificar politicamente os eleitores de Bolsonaro, tentar interpretar a intenção do voto, elucubrar como a extrema direita abocanhou o voto dos insatisfeitos, proponho apenas suspender o superego. Vamos afrouxar a censura social que impede o inconsciente aparecer livremente. Imagine que o inconsciente do voto no Bolsonaro possa falar sem censura.

É um voto racista de uma sociedade escravocrata que nunca se conformou com o fim da escravidão. Daqueles que exigem a empregada no elevador de serviço, o nordestino na portaria do prédio, o suburbano na periferia sem invadir a sua praia, o feirante submisso ao gosto da patroa, um “faz-tudo” escravizado que recebe “uma cervejinha”. Dos que acham que o trabalho braçal tem menos valor do que coisas que o dinheiro pode comprar.

É voto pelo constrangimento de ter um colega na faculdade que “entrou por cotas”, de ter que dividir os apertados assentos dos aviões com “gente sem costume”, de ter que suportar frequentadores do restaurante que falam alto, de se misturar com “essa gente diferenciada”, de suportar “a ralé querendo ser gente”.

É um voto de quem se achava dono desse país por ter descendência europeia, um superior filho de migrante que não faz parte do povinho sem tradição dessa nação colonizada. Voto do colonizador que nunca aceitou perder a filiação do primeiro mundo para ser um simples brasileiro. Voto indignado do dono da capital que emprega essa gente para “que não morram de fome” (se acha empresário até o dono da barraquinha de cachorro-quente).

Voto de quem deseja morar em Miami e prefere ser um pateta americano, um rato qualquer do Disney, do que um Jeca Tatu do Lobato. Gente que até aceita um negro “de bons costumes” como Machado de Assis – mesmo que nunca o tenha lido, mas jamais se atreveria a ter um Lima Barreto na estante. Uma elite ignorante que se acha inteligente e superior.

Voto da estupidez que acha natural equivaler sua idiotice ao conhecimento, voto da ignorância abissal que prefere acreditar no criacionismo bíblico do que na ciência e nem consegue entender a metáfora do texto bíblico. Voto de quem prefere uma escola que não ensine filosofia ou política, mas as matérias básicas que reproduzam a sociedade assim natural na divisão de pobres e ricos. Voto dos que acreditam ser abençoados por um deus só deles e não o querem dividir com os outros.

Voto dos que acreditam na sexualidade determinada apenas pelo biológico e entendem que a “ideologia de gênero” possibilita as aberrações sexuais inaceitáveis. Votos do que cultivam uma família nuclear infeliz, da submissão da mulher, da perversão escondida ao mesmo tempo em que dirige um ódio aos que vivem livremente a que ele acha perversão. Voto dos que preferem a legalização do estupro que a legalização do aborto.

Voto de quem faz caridade, mas não suporta a redistribuição da riqueza. Voto da prosperidade com a meritocracia que exclui a pobreza servil. Voto de quem enxerga na pobreza preguiça e violência para a segurança pública. Voto dos que odeiam pedintes e os acusam de não querer trabalhar.

Voto de quem demoniza a ciência e o progresso social como “comunismo”. Voto de quem acha que a liberdade artística é comunismo. Que direitos humanos é comunismo, educação sexual é comunismo, emancipação de minorias é comunismo, justiça social é comunista. Dos que percebem em qualquer pensamento crítico a ameaça do comunismo. Voto dos que temem que a bandeira brasileira fique vermelha. Dos que nos mandam ir pra Cuba.

Dos que não se importam de acabar a assistência médica aos pobres, porque médico cubano é explorado pelos comunistas ou agentes vermelhos. Voto dos que concordam que saúde e educação são para os que moram na Casa Grande. Na senzala que padeçam na indiferença dos que não se importam, os mesmos que fecham o vidro do caro para o menino pedinte, sempre um assaltante em potencial (se já não o é, será com certeza!). O voto do homem de bem armado a favor da pena de morte.

Voto contra a corrupção dos outros, dos comunistas, mas que não se incomodam com a corrupção dos seus pares. Voto dos que sempre gostaram da ditadura e tinham vergonha de dizer, dos que concordam que se elimine fisicamente os comunistas vermelhos, dos que acham que a ditadura não matou suficientemente esses vermelhos que estão por aqui a pregar o comunismo ainda hoje, esses bolivarianos, embora não saibam quem foi Bolivar. Voto dos que desejam o “intervencionismo constitucional” dos militares.

Enfim, muitos outros exemplos poderiam ser colhidos do inconsciente do eleitor do Bolsonaro. Eles não se submetem à divisão de classes. Estão em todas. Do pobre que pensa como o patrão, do que se acha seu próprio patrão, do que se acha rico por chegar à classe média, nas elites idiotizadas que moram em Miami na Barra da Tijuca ou numa decadente Ipanema. Aconteceu que o capitão medíocre disse o que o inconsciente dessas pessoas guardava. Desde que deu entrevistas dizendo que defendia a tortura, que daria um golpe, quando falou que não estuprava uma parlamentar porque ela não merecia ou ofertou seu voto no impeachment a Carlos Brilhante Ustra, “terror de Dilma Rousseff”.

Bolsonaro libertou o inconsciente do seu eleitor da censura de um superego civilizado. E a barbárie foi contagiante como um rastilho de pólvora. Mesmo os que vão sofrer com as medidas econômicas não se arrependerão. Foi o desejo inconsciente satisfeito no voto. Bolsonaro disse o que eles não podiam dizer. A identificação foi irresistível!

E Bolsonaro foi eleito para que essa nação, mergulhada no atraso, não perdesse a memória da escravidão.

______________________

desenho: Dino Alves

2 comentários em “BOLSONARO FALOU O QUE NÃO SE OUSAVA DIZER E LIBEROU O INCONSCIENTE DOS SEUS ELEITORES

  1. Esse artigo do Edmar Oliveira tem o meu voto. E faço votos para que todos os que ajudaram a implantar as trevas aqui na nossa terra possam refletir sobre o voto ignaro que depositaram na urna. A partir de 2019 nenhum fruto benfazejo será colhido. Só goiabas podres.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s