AMANHÃ VAMOS VOTAR

Gargalo voto

Amanhã vamos votar. Certamente a mais importante eleição que participaremos desde a redemocratização. Na primeira não acertamos com o Collor, tiramo-lo e apostamos nossas fichas novamente, a democracia permite o arrependimento. Primeiro deu uma pseudosocialdemocracia que se revelou neoliberal atendendo o consenso de Washington. Sofremos um arrocho inesquecível. Depois a esperança foi despertada por um governo que se nomeava popular que ficou treze anos no poder até um desgaste completo. O vinho, muito bom no começo, avinagrou no final. Apressadamente foi dado um golpe que feriu a jovem democracia. O golpismo parlamentar-judiciário e midiático não impediu que as eleições regulares acontecessem. Afinal precisavam fingir que as instituições funcionavam normalmente num golpe branco.

Desde o começo, essas eleições de 2018 não se apresentavam como regulares. O plano dos golpistas era que ela referendasse o golpe. Não conseguimos uma união das esquerdas no primeiro turno e a direita desapareceu para um protagonismo inesperado de uma extrema direita liderada por um capitão medíocre. O resultado é que vamos para um segundo turno não para escolher um candidato que nos governará por quatro anos. O que está em jogo nessa disputa é se queremos voltar a uma democracia plena, que tínhamos antes do golpe, ou se abriremos as portas para um regime autoritário que pode nos trazer um neofascismo neoliberal pós-moderno, que pode nos roubar a democracia.

É essa decisão que as urnas vão revelar amanhã. E nesse período pré-eleitoral já começamos a assistir uma amostra de decisões que atendem já, de antemão, o projeto autoritário. Numa faculdade de direito, onde se discutia o fascismo, o TSE – órgão que regula as eleições – mandou tirar uma bandeira do movimento antifascista internacional que adornava o local do evento, como se fosse propaganda eleitoral para o candidato da democracia.

Esse evento simbólico revela que (1) nosso tribunal eleitoral desconhece que o movimento antifascista internacional é apartidário ou/e (2) o tribunal reconhece que o outro candidato representa um partido fascista, que não poderia, assim, estar participando do pleito constitucionalmente, mas foi autorizado pelas nossas autoridades.

O diretor da faculdade foi preso pela polícia federal, numa clara amostragem de como agirão daqui em frente se o projeto autoritário vencer nas urnas. Milicianos de apoio ao candidato protofascista já ensaiam cenas explícitas de intolerância e o candidato que prega a violência nos seus discursos diz não poder conter seus apoiadores. As autoridades eleitorais proibiram o candidato democrata de fazer alusão à tortura, mas não impede o outro candidato fazer apologia da tortura e de torturadores. O momento é tenso e a as nossas instituições parecem querer agradar o candidato autoritário. O jogo é desigual, além do financiamento ilegal da máquina tecnológica de “fake news”, que deveria ser proibida, se a lei fosse cumprida.

Amanhã vamos votar. E escolheremos um retorno à democracia, ferida pelo golpe, ou daremos carta branca ao capitão autoritário para nos jogar nas trevas de onde saímos após muita luta há apenas trinta e três anos. Esse curto período histórico é de apenas 2% deste país que foi colonizado em 1500.

Amanhã vamos votar. E não votaremos num candidato ou num partido político. Escolheremos o futuro que queremos entre a nossa curta democracia, onde a liberdade – nosso bem maior – será respeitada, ou autorizamos pelo voto democrático – ironia da história – se desistimos da democracia.

_____________________________

desenho: Gargalo

 

 

4 comentários em “AMANHÃ VAMOS VOTAR

  1. Mais uma vez um texto brilhante que retrata o momento que atravessamos
    O que queremos para nosso futuro
    Eu prefiro lutar numa democracia que lutar pela liberdade numa ditadura.

    Curtido por 1 pessoa

  2. Don Edmar,

    Corrija se ainda há tempo: Não foi o TSE que mandou retirar as faixas contra o fascismo,

    mas sim, juízes de primeira instancia dos TREs. O TSE restabeleceu a ordem “democrática”,

    anulando esse ato de magistrados que não lêem seus superiores. A Carmem Lúcia, apesar de

    sua tibieza, proibiu a censura no país. A Rosa Weber, atual presidenta do TSE, anunciou que

    exigirá explicações dos atos fascistas desse juízes.

    No mais está correto.E, vamos votar.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s